Qual é o futuro da educação?

Você imagina como será o futuro da educação? De que forma processos educacionais serão daqui há alguns anos, ou até mesmo décadas?

É natural que toda mãe fique preocupada com o que será dos filhos no futuro. A primeira incerteza, digamos assim, é sobre se este tempo todo gasto em computadores agora, não será um desperdício.

Esta é uma dúvida absolutamente natural. Mas, por outro lado, o avanço tecnológico e o acesso às ferramentas computacionais tendem a estar cada vez mais presente na formação das novas gerações.

Desta forma, portanto, uma realidade que integra jovens e computadores já se faz presente.

Sim, precisamos entender sobre todos esses fatores e saber os pormenores deste ensino tão diferente e distante do que tivemos nos nossos bancos escolares, há cerca de 20 anos atrás, quando nada disso existia, por exemplo.

Qual o problema da educação hoje em dia?

Antes de olhar para frente, vamos nos dedicar a pensar o agora. Como mãe, você deve imaginar que a educação no Brasil não anda muito bem.

Veja bem, segundo o site da BBC Brasil, somente 42% dos alunos, no ano de 2017, chegaram a concluir o 5º ano com aquilo que poderíamos chamar de “conhecimento adequado” na matéria matemática, por exemplo.

Sintetizando, esse dado, inclusive, é pior conforme os anos passam. Somente 14%, após a conclusão do ano, possuem o conhecimento adequado desta disciplina.

O mesmo acontece com língua Portuguesa, com índices de 56% no 5º ano e 34% no 9º ano.

Certamente, este é um desafio para agora e que o futuro da educação precisa resolver. 

Entretanto, temos que nos perguntar: Mas, porque isso acontece? O que causa este desinteresse no aluno e, mais importante, como contornar este quadro?

É possível apontar alguns indícios de coisas que não mais funcionam como antes em sala de aula. Uma delas é o princípio de notas. Ao acertarmos tudo em um teste, por exemplo, ganhamos um “10” (ou “A”, dependendo da escola) e, conforme erramos, ficamos com pontuações piores.

Além de ser um pouco desmotivador, isto tem pouca relação com a vida adulta. Assim sendo, vemos que é emergente a necessidade de um novo modo de avaliação escolar.

Tomemos os jogos como exemplo – neles começamos com zero. Conforme vamos fazendo coisas certas, ganhamos pontos. Este sistema parece ser mais lógico e estimulador.

O futuro da educação exige novas posturas

Professor do futuro
Professor do futuro

Outra parte que deve ser discutida hoje para criarmos um melhor futuro nessa área, é descaracterizar a postura do professor simplesmente como passador de conteúdo para um facilitador.

Uma pessoa, falando para diversos alunos, passando conteúdo sem parar, enquanto parte da sala está entediada, e outra se encontra absolutamente perdida é um cenário que tem que ser mudado.

O professor como um mediador e um guia é muito mais interessante, pois incentiva os alunos a serem autônomos na sua busca por conhecimento, igualmente a assumirem responsabilidade sobre seu aprendizado.

Outro fator que irá fazer toda a diferença no futuro da educação é o redirecionamento das atividades cognitivas, mudanças na convivência social, e por que não dizer reestruturas emocionais e comportamentais.

Nosso ensino é projetado com origem em uma era industrial, estruturado em cima de processos de memorização mecânica, que tendem a suprimir a criatividade e a originalidade dos alunos.

Somente o “decorar” é insuficiente já para atender demandas do hoje, logo, para suprir necessidades que nossos filhos encontrarão no mercado de trabalho e na sociedade de amanhã, isso será ainda menos eficiente.

Vamos, portanto, entender como deve funcionar tudo isso, logo ali, em um futuro próximo, tanto no ambiente escolar, social ou mesmo familiar.

Qual é o futuro da educação – 3 premissas a considerar

O futuro da educação exige mudanças agora

Existem alguns eixos que serão fundamentais para que a educação se desenvolva nos próximos anos. Vamos a eles.

1 – Mudança dos métodos de avaliação

A forma que a avaliação é feita hoje em dia, com perguntas e respostas, corre grande risco de se tornar obsoleta.

Isto porque se exige que alunos decorem uma grande quantidade de conteúdo que, na verdade, tende a ser esquecido logo na próxima semana, por exemplo.

Uma avaliação voltada para trabalhos com projetos é mais eficaz, pois assim os estudantes testam de fato o conhecimento adquirido – é a prática, neste caso, que norteia a avaliação.

Nestas situações, a certeza de que algo aprendido desta forma jamais será esquecido, melhorando a retenção de conhecimentos, habilidades e capacidade de decisão, principalmente.

2 – O futuro da educação resgata a curiosidade e a experimentação

De fato, o que leva a ciência para frente – a maior responsável pelos avanços tecnológicos e científicos – é a curiosidade. E a escola atual não incentiva isso.

Certa vez Einstein falou: “Eu não possuo nenhum talento especial. Só sou apaixonadamente curioso”. É fato também, que junto com a curiosidade vem a necessidade de experimentação.

Em uníssono essas duas vias agem para:

  • Fazer perguntas;
  •  Criar hipóteses;
  •  Conduzir testes.

Assim consecutivamente, até chegar na verdade.

De forma clara, grandes empresas têm seu sucesso devido ao uso contínuo da experimentação para melhorar processos, serviços e produtos.

Logo, é primoroso entender quanto o prazer da descoberta será providencial no futuro da educação, para que assim nossos filhos estejam mais bem preparados.

3 – Ensino baseado em projetos

Com ensino baseado em projetos, estudantes poderão aplicar suas habilidades aprendidas à uma grande variedade de situações.

Isto vai preparar a criança e o jovem para o futuro profissional e vida social, pois irá ressaltar organização, colaboração e a capacidade de gerenciar tempo, fundamentais para uma carreira de sucesso.

Poderíamos acrescentar ainda, que outros componentes educacionais, como:

  • Habilidades em programação e uso da tecnologia;
  • Capacidade de lidar com uma grande quantidade de informações;
  • Professor como um guia/facilitador de aprendizado, permitindo que crianças tenham mais autonomia na construção do conhecimento.

Serão basicamente como eixos fundamentais para promover o futuro da educação no Brasil e no mundo. Por fim, salientamos que podemos, como escola de programação e tecnologia para crianças e jovens, proporcionar ao seu filho hoje, uma oportunidade única para que ele esteja cada vez mais preparado, tanto para a vida adulta como para o mercado de trabalho no futuro. Saiba mais.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: