Geração Z: como os jovens se relacionam com a tecnologia

menina usando óculos de realidade virtual

A geração Z é marcada por jovens que nasceram e cresceram plenamente na era digital, ou seja, com acesso a computadores, celulares e internet a todo o momento.

Os jovens da geração Z são basicamente aqueles sujeitos nascidos entre 1995 e 2010, os quais também podem receber denominações, tais como: postmillenials, centennials, geração K ou post-Bieber.

Além disso, a geração Z se sente e se define como “tecnológica”. Isso quer dizer, em outras palavras, que os sujeitos pertencentes a esta geração costumam conceber a tecnologia como parte da realidade na qual estão imersos e fazem tudo isso com muita naturalidade.

Também podemos apontar que, os nativos desta geração costumam ser pessoas mais pragmáticas com relação ao uso das tecnologias e, além disso, são conscientes dos riscos de usá-las, embora defendam, em sua grande maioria, uma visão otimista e entusiasta com relação às possibilidades que a tecnologia fornece, principalmente no âmbito educativo e laboral.

Nesse sentido, no artigo de hoje iremos discutir, de forma mais aprofundada, como a geração Z se relacionada com a tecnologia. Confira e boa leitura!

Como podemos definir a Geração Z?

Para entender melhor como se comporta esta geração diante das tecnologias existentes, precisamos, antes de qualquer coisa, nos aprofundar nos aspectos que os definem, e que constituem as personalidades dos nativos desta geração.

As características que nos ajudam a identificar facilmente um nativo da geração Z são:

  • Humanistas e maduros: ainda que sejam grandes usuários das tecnologias, preferem também as relações cara a cara. Costumam ser jovens maduros, autossuficientes e criativos.
  • Sensibilizados e comprometidos: possuem um alto conceito de consciência social e de voluntariado. Geralmente querem mudar o mundo apoiando as comunidades locais. Poderíamos dizer que, a geração Z é essencialmente altruísta e muito sensível às questões que envolvem a desigualdade econômica e social.
  • Trabalhadores enfocados: enfrentam seus problemas de modo decidido, flexível e pessoal. Como também lidam bem com as novas tecnologias, uma vez que geralmente buscam ferramentas para construir seu próprio mundo laboral de modo mais otimizado.
  • Possuem perfil empreendedor: se mostram predispostos a empreender e serem seus próprios chefes. Apesar de seu caráter empreendedor, o equilíbrio entre a vida e sua carreira, a segurança laboral e a criatividade são objetivos profissionais mais importantes.
  • São grandes conhecedores das ferramentas digitais: a geração Z usa a internet com muita facilidade, pois já nasceram imersos nas redes. Inclusive, é comum vermos jovens que aprenderam a estudar, por exemplo, através de tutorias no YouTube e em sistemas de educação online. Além disso, os nativos sabem onde podem encontrar as informações que necessitam e, desse modo, exigem uma educação personalizada e mais individualizada às necessidades dos sujeitos. Leia também: Os benefícios de utilizar a tecnologia para o aprendizado.

A geração Z exige maior formação tecnológica

Precisamos destacar que, os jovens da geração Z acreditam que estão subutilizando as tecnologias, ou seja, que as estão aproveitando, e que podem e devem fazer isso. Além disso, eles se autotreinam, sempre através de tentativa e erro, e manuseiam essas ferramentas com muita naturalidade.

Inclusive, estudos apontam que 85% da geração Z considera que a conexão com a tecnologia é algo chave para se construir um futuro melhor.

Geralmente quem pertence à geração Z são nativos digitais, uma vez que possuem um ecossistema natural formado por smartphones e tablets. Além disso, se comunicam por WhatsApp e praticamente levam a tecnologia em seu código genético.

Em virtude disso, a geração Z está mudando profundamente o setor da educação, uma vez que valorizam mais o ensino e aprendizagem, além de serem autodidatas e gostarem de aprender por conta própria.

Com isso, os nativos desta geração buscam uma formação que seja flexível e eminentemente prática, orientada a desenvolver habilidades, capacidades e conhecimentos de modo concreto. Logo, a educação deve adaptar-se totalmente ao mundo digital no qual vivem os jovens dessa geração.

banner kit tecnologia na educação: menina usando tablet na sala de aula

Geralmente, irão preferir modelos de educação mais personalizados, com cursos e formações mais curtas, enfocados e adaptados às necessidades de cada indivíduo.

Em outras palavras, esses jovens da geração Z demandam projetos de aprendizagem mais vocacionais, mais curtos e mais enfocados em uma temática concreta, que aporte valor e lhes ajude a obter seus objetivos de aprendizagem.

A geração de criadores

Além de tudo o que já foi mencionado ao longo deste artigo, outra característica que marca a geração Z e sua relação com a tecnologia é a preferência por criar conteúdos, ao invés de compartilhá-los.

Isso porque a geração Z costuma construir suas próprias marcas pessoais e buscam conteúdos que lhes auxilie neste objetivo.

Estima-se que mais de 80% dos jovens desta geração utilizem aparatos eletrônicos, tais como celulares e computadores para fazer e editar fotos, gerar conteúdos, consultar informações, ou gravar vídeos.

Além disso, tem uma grande sede por informação e conteúdo, ainda que também estão muito interessados em gerá-los por conta própria.

Assim como a geração Millennials (geração Y) criaram a tendência de multitelas (estar conectado através de vários dispositivos – computador, celular, tablet – mudando constantemente de tela), a geração Z levou ao extremo essa forma de entender a relação com diferentes dispositivos, gerindo até cinco telas de uma única vez.

O fato desses jovens terem que assistir a tantas telas ao mesmo também acaba sendo mais difícil manter sua atenção.

Para você ter uma noção: o tempo médio de uso de um aplicativo ou página de destino (landing page) de um site é de menos de oito segundos.

Apesar disso, esses jovens cresceram no mundo das redes sociais. Eles são nativos sociais, uma vez que tem aproveitado a internet para socializar, ao contrário dos Millennials que eram nativos digitais, mas ainda não cresceram com as melhores mídias sociais.

Conclusão

No nosso artigo de hoje, você pode conhecer um pouco mais sobre os nativos da geração Z, principalmente no que diz respeito à relação estabelecida por estes grupos com a tecnologia.

Vimos que a tecnologia é parte constituinte da vida desses jovens, logo, não podemos ignorá-la se quisermos explorar todo o potencial da geração Z, não é mesmo?

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: